uruac3a7u-2-1

    Depois de receber, no ano passado, um movimento atípico ao redor de 12 mil visitantes, o público aguardado no feriado desta quarta-feira, 3, ao monumento aos Mártires de Cunhaú e Uruaçu, na comunidade de Uruaçu, em São Gonçalo do Amarante, deve cair pela metade.

    Um recuo compreensível, de acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de São Gonçalo, Fernando Fernandes, devido ao impacto produzido no ano passado pela canonização dos 30 mártires pelo Papa Francisco, em 15 outubro de 2017.

    Apesar disso, acrescenta Fernandes, é visível o aumento na presença de turistas durante os 10 dias de comemorações da data, quando o número de ônibus fretados triplica em relação aos meses anteriores.

    “O que falta é um trabalho conjunto, envolvendo a Igreja Católica, dona do monumento aos mártires, para construirmos um destino religioso que faça jus às canonizações promovidas pelo Papa Francisco”, acrescenta o secretário.

    Abdon Gosson, presidente da Associação Brasileira dos Agentes de Viagem (ABAV) no RN, não trabalha com a suposição de que o turismo religioso tenha aumentado no Rio Grande do Norte com a canonização dos mártires de Cunhaú e Uruaçu. “Ele, na verdade, passou a existir”, resume.

    Quanto à possibilidade de concretizar um destino nacional e internacional tendo como foco os santos canonizados pelo Papa, Gosson acredita que vai um grande caminho, que passa pela infraestrutura de ligação rodovia, segurança, comércio estruturado e até instalações como banheiros e restaurantes.

    Para ele, o turista religioso não é diferente de qualquer outro turista, não se sujeita a visitar locais onde não tenha à sua disposição os equipamentos básicos para a sua comodidade.

    Na opinião do secretário Fernando Fernandes, o potencial turístico gerado pelos Mártires de Cunhaú e Uruaçu existe, só falta ser transformado em produto.

    “Nos últimos 10 meses já começamos a nos preparar no município, trabalhando sobre um plano de turismo e um conselho respectivo e estamos enviando toda uma documentação para o Ministério do Turismo para que São Gonçalo integre um destino turístico nacional”, afirma.

    A partir disso, acrescenta, será necessário todo um trabalho de roteirização, qualificação de pessoal, sinalização para que se construa o destino baseado na existência de 30 mártires canonizados pela Igreja Católica.

    Em 16 de julho de 1645, o padre André de Soveral e setenta fiéis católicos participavam de uma missa dominical da Capela de Nossa Senhora das Candeias, no Engenho Cunhaú, município de Canguaretama quando foram mortos por sob as o0rdens de militares holandeses.

    AgoraRN

    comentarios